Farsa do Lata Velha

Falando de opalas, não tem como não contar o  causo do opala “sumido” pela quadrilha produção do Lata Velha do Narigudo Luciano Huck. Que eles estragavam clássicos todo mundo sabe, mas falsificação de documento é novo. Os trechos a seguir foram retirados do Jornal do Brasil – ver matéria completa.

Estava bom demais para ser verdade. Foi o que pensou João Marcelo Vieira, 37 anos, ao participar do quadro Lata velha, no programa Caldeirão do Huck, da Rede Globo. O sonho de ver seu Opala verde, ano 79, transformado em uma supermáquina durou menos de 24 horas. No dia da gravação, o vendedor não percebeu que não existia mais nada do Opala no modelo reformado. Nem no dia seguinte, quando a produção rebocou novamente o carro para a oficina, alegando que iria acertar a documentação. Meses depois, ele recebeu o carro, e só então percebeu, com o documento na mão, que o registro era uma Caravan 79.
O próprio João Marcelo demorou para entender o que estava acontecendo. O documento esclarecia as dúvidas: a Caravan marrom, que antes pertencia a Rubem de Souza, em Minas Gerais, teria sido comprada por ele próprio por R$ 4.200! O problema é que João, dono de um quiosque na Praia do Recreio, garante que nunca esteve na cidade de Ribeirão das Neves, em Minas, tampouco adquiriu o carro e muito menos assinou o documento de compra e venda. Estava, segundo ele, configurada a fraude. E começou uma odisséia em busca do verdadeiro carro.

Agora veja algumas fotos do que era o opala e o que “virou”.

Dois meses se passaram e nada do carro voltar. Ele conversou com Fernanda Lima, que conseguiu marcar uma reunião na Globo. Lá, João Marcelo diz que recebeu uma proposta financeira e que todos assumiram o erro do programa. Segundo o comerciante, a emissora não gostaria que o caso fosse para a Justiça. O encontro teria acontecido na sala do diretor da emissora Aloísio Legey.

Comunicado da Rede Globo quando perguntada pela revista Ponto TV sobre a reunião com Aloísio Legey e os motivos que levaram a emissora a mudar de oficina:

“O quadro Lata velha, do programa Caldeirão do Huck, da Rede Globo de Televisão, tem como objetivo a reforma de veículos antigos, que estejam em mau (por vezes, péssimo) estado de conservação.

Ao longo dos três anos de produção do Lata velha, por vezes, depois da escolha dos automóveis, se verificou que eles apresentavam problemas tão graves que sequer se encontravam em situação de circular legalmente. Além disso – e principalmente – ofereciam risco para a segurança de seus proprietários, condutores e/ou passageiros. Em razão do quadro, são entregues aos respectivos donos, veículos reformados e em perfeito estado de conservação e, mais que isso, rigorosamente de acordo com as normas legais (e com a documentação em dia), exatamente de acordo com o regulamento do programa.

Quaisquer mudanças que tenham ocorrido ou venham a ocorrer no quadro Lata velha tiveram (e terão) motivação puramente artística. A Rede Globo não se manifesta sobre questões que estão sub judice”. A assessoria da emissora não informou, no entanto, o motivo pelo qual o programa trocou de oficina mecânica. Agora, os carros que são modificados no Lata velha são reformados num estabelecimento em São Paulo.

O estado atual da bagaça – João Marcelo se recusa sair com o carro porque tem vergonha da filhadaputice palhaçada que fizeram com ele.

Como diria Boris Casoy:

ISTO É UMA VERGONHA!